Previsões editoriais e a função do editor

By 8 de março de 2018 abril 26th, 2019 Blog

Previsões editoriais e a função do editor

Logo no início do ano, a convite do LabPub, estive com as amigas e profissionais Cassia Carrenho, Camila Cabete e Cristiane Gomes para discutir, como em um exercício, as “previsões editoriais” para o ano que se inicia. Pouco antes de o evento começar, o lugar estava cheio. Estudantes, editores e amigos vieram debater um futuro que parece estar sempre mais distante e, em tempos difíceis, cada mais difícil de imaginar.

Obviamente, prever o que vem por aí é uma falácia. Mas o estudo de tendências e a construção de hits e best-sellers é uma ciência aplicada ao dia-a-dia do editor, este ser que diariamente estuda para saber o que o público quer, o que deveria querer e o que ele nem sabe ainda que vai querer.

Ser editor de aquisição é perceber o agora e tentar transpor para o futuro, perceber mutações, evoluções e desistências. Imaginar como certo tipo de leitor vai reagir a uma mudança cultural. É adaptar possíveis desejos à realidade. Nunca foi fácil, mas em um momento em que percebemos que a globalização “nichou” o mercado (taí uma previsão que ninguém fez) e que se você não é parte de um nicho dificilmente irá tomar conhecimento de que ele existe, isso parece uma tarefa impossível.

Mas não é. O que dificulta, e muito, é que a maioria das editoras aos poucos vai sendo domada ao poder do mercado, aos pedidos comerciais e à garantia de vendas. Argumentos como “Vai vender para o público de…”, “É para os fãs de…” vão dando lugar a projetos originais que poderiam criar mais nichos, mas que são abafados pelo grande risco do mercado. Livrarias dificilmente investirão em algo muito novo, e o leitor, em um momento de crise, prefere o conforto do “livro novo do autor conhecido” ao risco de pagar por algo que não vai satisfazê-lo. No fim, o editor opta pelo caminho seguro.

Assim, como o editor vai investir no novo?

Tive a honra de trabalhar com uma das maiores pesquisadoras de tendências, editora e book hunter que este país já teve. Vivian Wyler trabalhou por mais de trinta anos na Rocco, que possuía um catálogo extenso que ia de JK Rowling a Julian Barnes. Tudo passava por ela. Se líamos um bom livro, ela defendia a sua aquisição imediata; mas, se líamos algo ruim, ela nos fazia refletir sobre a obra. Porque o scout nos ofereceu este livro? Há um caminho? Podemos ler outra coisa que aponte por esta tendência?

Por quais novos caminhos o jovem que está lendo Extraordinário irá se interessar em cinco anos?

Leitoras de Chimamanda evoluirão para o feminismo didático ou irão procurar ficção?

Livros de colorir são um desejo do mercado de se desligar dos aparelhos digitais?

Por que o novo thriller é centrado em uma personagem feminina de personalidade duvidosa?

O Nobel deste ano aponta para qual direção?

Foi através desse tempo que passei com ela que procurei questionar praticamente toda a obra que caía em minhas mãos, e muita coisa deixou de ser em vão. Pensávamos o caminho e seguíamos adiante, na maioria das vezes, com sucesso.

Então, se não podemos prever o futuro, podemos questionar o presente. Acho que é a melhor definição da função do editor. E o maior facilitador. Pensar que o que está sendo lido/visto/compartilhado agora será a referência dos livros futuros é uma regra que dificilmente será quebrada. Obviamente que não só de estratégias de conteúdo vive a publicação. Mas falaremos disso em outro artigo.

Mariana Rolier é gerente editorial internacional da HarperCollins Brasil e coordenadora de conteúdo da #LabPub. Com dezenove anos no mercado editorial, Mariana já passou por todas as etapas da construção do livro e foi responsável por best-sellers e livros premiados. Ama o que faz, mas também ama histórias em quadrinhos, filmes B, bordados e máquinas de costura.

Photo by G. Crescoli on Unsplash

Posts recentes

18 de fevereiro de 2020 in Blog

Livro: uma questão de oferta

Livro: uma questão de oferta Professor na LabPub, Diego Drumond acredita que a maioria das cidades do Brasil poderia sim ter livrarias, o que ainda não é a nossa realidade.…
Read More
18 de fevereiro de 2020 in Blog

Batendo o ponto e as expectativas

Batendo o ponto e as expectativas Professora no curso GHOSTWRITING & BIOGRAFIA, a escritora Nanete Neves conta a história do livro Batendo ponto, que surpreendeu até os próprios autores, depois…
Read More
18 de fevereiro de 2020 in Blog

Os nove anos da Patuá

Os nove anos da Patuá O aniversário da editora reuniu autores e leitores no bar Patuscada, em São Paulo, que é um dos muitos braços do publisher e poeta Eduardo…
Read More

Nossos cursos

9 de fevereiro de 2020 in Cursos

Fundamentos de Roteiro e Narrativa: Como criar histórias para filmes

Com o objetivo de apresentar esse mundo da direção de cinema e da elaboração de roteiros e da narração de boas histórias, criamos o curso Fundamentos de roteiro e narrativa: como…
Read More
4 de fevereiro de 2020 in Cursos

Ghostwriting & Biografia: Como transformar a história de outro em livro

Personalidades eternizam suas experiências em livro. Com o curso Ghostwriting & Biografia aprenderá a tirar o melhor conteúdo do autor.  Este curso é especialmente voltado para pessoas interessadas em se capacitar como…
Read More
19 de janeiro de 2020 in Cursos

Formação de Editor de Textos: Revisão, preparação e edição de livros originais e traduzidos | Turma 5

O curso tem como objetivo tornar o participante apto a realizar trabalhos de edição de textos, em suas etapas mais importantes: revisão, preparação e edição. O curso oferece aos participantes um…
Read More